sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Quem fala o que quer...

Oi meninas! Não sou a favor da violência (apesar do meu coração Palmeirense achar bem feito, lá no fundinho), mas a liberdade de imprensa ás vezes não tem limite. Mesmo porque ter liberdade e ofender torcedores (ou fãs, seguidores, sejá lá o que for e de que time for) já é demais da conta e merece puniçã...claro, não um espancamento, mas medidas acertadas, como por exemplo a demissão desse fotógrafo. Confesso, me chamou a atenção pq estava falndo do time pra o qual eu torço, mas me indignaria se fosse com qualquer clube.

Leiam a notícia abaixo (Fonte: Comunique-se):

Fotográfo do Agora é agredido por membros do Palmeiras e demitido por post no Twitter


Da Redação

O fotógrafo Thiago Vieira, que prestava serviço para o jornalAgora São Paulo, foi agredido por três conselheiros do Palmeiras, inclusive o ex-diretor de futebol Wlademir Pescarmona, por um post no Twitter. Veira também foi demitido do jornal por ter ofendido o clube pelo microblog. Após chamar os palmeirenses de porcos pela rede social, o fotógrafo foi atingido por um soco e obrigado a sair do clube. Vieira acompanhava o resultado da eleição que definiu o novo presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone.

"Enquanto os porcos não se decidem poderiam mandar mais lanchinhos e refrigerante para a imprensa que assiste ao jogo do Timão na sala de imprensa", escreveu em seu perfil (@thiagovphoto), que foi retirado do ar.


Os três conselheiros então foram para a sala de imprensa e procuraram por Vieira para tirá-lo da sala. Após a agressão, a assessoria do Palmeiras imprimiu o post do fotógrafo e levou a mensagem à sala de imprensa do CT, para explicar a confusão.

“Após ofender a torcida, o fotógrafo Thiago Vieira não trabalhará mais no Palmeiras. O jornal para qual ele trabalha, já foi comunicado”, postou o clube em seu Twitter.

O jornal Agora entrou em contato com a direção do Palmeiras e reprovou a agressão, mas pediu desculpas pela atitude do fotógrafo e informou que ele não mais prestará serviços ao veículo.

Segundo uma testemunha ouvida pelo Comunique-se, os jornalistas que estavam presentes acreditam que o fotógrafo não tinha ideia da confusão que seu post no Twitter poderia causar. No entanto, o repórter reprova a agressão. “Ele falou algo errado, no lugar e momento errado. Mas os dois lados estão errados. Não se justifica a agressão”, afirmou.

Com informações da Folha.com e GloboEsporte.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Gostaria de saber o que você pensa sobre o assunto =)