terça-feira, 19 de abril de 2011

A futura mãe "aloka" + quarto montado + admitindo que estamos com medo

Então meninas, ás vezes me pego pensando em como serei como mãe...a gente sempre sonha com essas coisas, né? Idealiza, fica horas queimando os neurônios com o que ainda não existe (a maternidade em si).

Porque digamos a verdade, grávida ainda não é mãe, mãe é um ato diário depois que o bebê nasce, é uma atividade de amor e dedicação, não acontece do nada (pelo menos eu acho assim, não acredito em conto da carochinha).

Por enquanto estou grávida, Malu está no forninho e é isso.

Por que eu comecei o post assim? Pq eu estava começando me cobrar demais, começando (naqueles devaneios que falei no começo) pirar na batatinha, como se eu tivesse que ser mãe tudo num dia só, sabe?

Mas eu vou mudar (como já mudei ao longo da vida, em diversas situações e diversos hábitos desde o início da gravidez) e ela também, assim como o Marcelo. E a gente vai "se aprendendo", se conhecendo, descobrindo a cada dia.

Espero não ficar me cobrando mais quanto a isso e relaxar, obrigada! (como aconselhou a Marta Suplicy...rsrs)

Quando eu era mais nova, eu visualizava qdo tivesse filhos, inspirada por Elis Regina e talvez até fosse uma idealização de mãe-bicho grilo, algo como Baby Consuelo, vendo os filhos crescerem felizes e naturalmente (sem os nomes estranhos, por favor...rsrs)

Um trechinho da música que fala sobre isso:

"Eu quero a esperança de óculos
Meu filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal"

E hoje, depois da novelinha pra marcar a montagem dos móveis, finalmente temos uma cômoda e um berço para Maria Luisa dormir e ter suas coisinhas arrumadas.

Ah, e sobre o MEDO (olha...escrevi em maiúscula. Freud deve explicar), comentei sobre ele aqui e vi a Re, do blog A caminho da maternidade, falando sobre ele tb no seu blog.

Eu, apesar de confiar muito no meu obstetra ainda fico encafifada como um bebezão poderá nascer de Parto Normal (confio nele sim e depois de escrever sobre esse meu pavor, espero transmutar esse pavor em "deixa acontecer") e se for de Parto Cesárea, o que vou ter que aguentar na recuperação (a cicatriz tb não me agrada, sai pra lá quelóide - cicatriz mais evidente).

Enfim, o que tiver de ser, será e confio em Deus, que sairá tudo bem.

E hoje (19/04) temos mais um pré natal no postinho e amanhã (20/04) no convênio, pra conversarmos mais sobre isso.

Tem também toda aquela pressão lida em alguns blogs, mais radicais que falam sobre parto na água, de cócoras, que deve ser natural, sem anestesia, nas casas de parto (realmente não me convence a idéia de ficar indo e voltando pra casa se não tiver dilatação suficiente) e por ai vai...

Gente, volto a repetir...eu quero lembrar desses instantes com carinho e não com raiva, irritação por ter passado por uma dor desnecessária (que me desculpem as mais puristas, mas eu não passo aperto, concordo com a Rê...anestesia, aqui estou eu!!)

E se tiver que ter episiotomia (o corte feito no períneo pra facilitar a bebê passar) que o seja.

Tem gente que faz um maremoto e é contra diversos fatores que podem ajudar e não fazer sofrer a bebê e nem a mim (e em consequência o Marcelo e a família toda).

Sempre haverão correntes diversas de pensamentos e o meu é um só. Quero ser feliz com a Maria Luisa (um feliz sem ter a obrigação "sou sua mãe, somos obrigadas a ser felizes juntas", uma felicidade natural, crescente a cada dia, nada de mãe da novela da Globo) e com o meu esposo, lembrar de cada momento desde o início com suas peculiaridades e felicidades.

Marcelo e eu conversamos sobre os medos que sentimos e isso foi bom, apesar d'eu ficar matraquinando depois, sabe?

Mas conversar é sempre o melhor caminho, e se temos com quem fazer isso, melhor ainda. Minhocas na mente vão surgindo e desaparecendo apenas com boas conversas. O que não dá é ter medo de falar.

Beijo, Ci

6 comentários:

  1. Ci,

    O medo vêm mesmo no fim do terceiro tri, já estou sentindo-o também!
    Comentei sobre partos lá no blog, também não sou radical com nenhum deles, que seja feito o melhor.

    bjo!

    ResponderExcluir
  2. Ci..ontem mesmo eu falei pro Má: estou morrendo de medo do parto, morrendo de medo de ter alguma complicação, de morrer..nunca tive isso, nunca, mas estou morrendo de medo. E ele me respondeu: Vc nao me apronta, hein zero dois? Bem ao estilo Tropa de Elite..hahah..posso? Na hora esqueci do medo e comecei a rir!!

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com vc, acho que o que puder ser feito p/ minimizar o sofrimento e a dor da mãe e do bebê é muito válido, é lógico que respeito muito as outras opiniões, mas adorei a idéia de ter um PN com anestesia...rsrsrsr
    quanto aos móveis da sua princesa, eles são lindos viu.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Ci, obrigada pelo comment no meu post..eh justamente isso que eu penso..eu nao nasci para ficar em casa, nao tenho esse perfil, preciso me ocupar, preciso enriquecer minha mente com coisas novas todos os dias..e acho que no fundo to cansada do que faço hoje e que talvez a licença seja uma boa oportunidade para correr atras de outra coisa, outro lugar para colocar a mao na massa..eh isso. Parar de trabalhar para cuidar de filho, nao rola, nao combina comigo...mas que seria otimo se algo novo pintasse durante a licença, isso seria. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Ci...

    Lindo,lindo e lindo esta ficando o quarto da sua pequena,como ela merece de certeza...
    Medo???a para...hihi...meu coração para quando eu paro para pensar no parto,e depois quando ela chegar em casa,esse tipo de coisa,maass,logo tento ocupar a minha cabeça com outras coisas,pq se não agente pira neh...

    Boum Feriadão aí para vcs :)

    Bjaum Lindas

    ResponderExcluir
  6. Lindos os móveis! parabéns!! Com relação ao medo eu tive muito . Na verdade, quando era mais nova dizia que não teria filhos só pelo medo do parto , acredita? Foi meu marido que me convenceu e foi a melhor coisa do mundo. Eu queria parto normal, sem anestecia (tenho medo da mardita), mas meu médico sempre me disse que não permitiria que eu sofresse sem necessidade. No final tive de optar por uma cesárea (tome anestesia! rs) e o parto foi super tranquilo. Minha recuperação que foi ruim, por coisas que aconteceram comigo mesmo... Minha irmã não sentiu absolutamente nada, tanto que se não fosse minha mae ela tinha abusado. Medo é normal, mas vc vai tirar tudinho de letra! E ah! Não se importe com o que os outros falam, todo mundo quer opinar no SEU parto, na SUA vida. Eu penso assim, se são seus, só vc pode decidir! Beijão!

    ResponderExcluir

Comente! Gostaria de saber o que você pensa sobre o assunto =)