quarta-feira, 21 de setembro de 2011

"Esvazia bem a bexiga ali, por gentileza!" (ou "Ria da minha vida antes que eu ria da sua")

2 comentários:
No dia 10, sábado retrasado, eu fiz os exames de puerpério, aquele que se faz um período após ganhar o bebê (na realidade logo após os 40 dias, mas fiz só agora, pq o horario do meu médico é concorridíssimo e não sou mais gestante...dai não tem consulta-encaixe, né?!).

Acordei cedo, tomei meu banho, dei banho na Maria Luisa e fiquei esperando minha mãe para ficar com a bebê. Marcelo foi trabalhar sábado cedo...eu já estava ficando tensa, pq o exame tinha horário e eu não sabia se minha mãe lembrava desse detalhe. Enfim ela chegou e lá fui eu...

Varada de fome, em direção ao laboratório (sim, varada de fome, pois eu estava em jejum desde ás 23h30 do dia anterior) e tentando me controlar para não colocar nem uma balinha na boca para não cortar o jejum. Aproveitei nesse dia e fiz também meus exames para levar ao endócrino (depois conto melhor pra vcs isso).

Cheguei lá, a mocinha parecia que tava dormindo ainda...terminou de pegar meus dados e documentos pra preencher a papelada dos exames do dia e falou pra eu ir até o segundo andar, que eu já seria chamada...

Ao chegar no segundo andar eu estava esbaforida (subi no pique, a doida falou que eu já seria atendida). Lá perguntei pra um homem de jaleco branco se era lá mesmo (depois fui saber que ele era o médico...rs).

Ele disse que sim, falou pra eu sentar um pouco, ler uma revista que ele já ia me chamar.

Só que eu e meu ouvido de "lince" (se diz ouvido de tuberculoso, mas acho feio e coloquei de lince mesmo...que seria "olhos de lince". nada como um pouco de liberdade poética.) escutamos meu nome láááá embaixo, de onde eu havia chegado há uns 5 minutos e estava bem reconfortada na cadeira, já com uma revista na mão.

Cruzei de novo com o médico e expliquei meio que correndo que eu fui chamada lá embaixo, perguntei se ele havia escutado meu nome (o "surdo" do médico não ouviu, mas falou pra eu ir relaxada, com calma até lá).

Desci e uma mocinha me esperava na portinha da coleta de sangue, de onde havia me chamado, mas aloka da recepção mandou eu subir pros outros exames. Tudo bem...retirado meu sangue (não vejo problema nenhum, nunca me impressionou tirar sangue, desde pequena), volto eu, esbaforidérrima pro segundo andar...

Dou de cara com o Dr. e ele fala pra eu sentar e ficar tranquila, que seria bom para o exame (se ele não fosse médico de um laboratório sério, eu acharia bizarro o conselho dele, de toda hora me mandar "relaxar"...rs).

Tudo bem...uns 10 minutos depois, eu que tava numa leitura danada, tive que largar lá a abençoada da revista e parti pro exame. Esse médico é o rei do "RELAXA", né?? Mas eu estava tranquila...só que ele queria que eu ficasse "tranquila" a qualquer custo...só faltou me dar gás do riso.

Coloquei o aventalzinho com abertura atrás (quem foi o FDP que inventou essa coisa?) e os dois primeiros foram a Colonoscopia e a Colposcopia, o famoso Papanicolau...eu tava corajosinha, até olhei na tela do computador, minha vida uterina, ao vivo e a cores (LOL)

O mais engraçado nesses exames é o "fingir" estar tudo bem, não ser algo constrangedor e todo mundo (paciente, médico e enfermeira) fazer cara de paisagem...e eu, tentei fingir tão bem que estava fazendo um exame, como se sacasse dinheiro no banco, que comecei cantarolar...affe...quando me dei conta do que estava fazendo, quase dei uma gargalhada...mas consegui me conter (eu estava cantarolando bem baixinho, calma meninas).

Fui então para o primeiro andar, depois desse perrengue de sobe e desce...finge naturalidade e cantarola.

A recepção estava lotada...principalmente por uma família que foi todo mundo (penso comigo porque a família tem que ir em peso ao laboratório, num sábado de manhã frio...pra enchoriçar, só pode, pra fazer farol, chacrinha...). E nessa família tinha uma bebê, lindinha, dos cabelinhos enrolados e ruivos...não me perguntem o nome da bebê, pq ela era linda, já seu nome era meio escalafobético tadinha...não me lembro.

Eu, que estava lendo uma revista Cláudia, a reportagem da Natália Klein de "Adorável Psicose" que eu adoro, me inteirei do assunto da recepção, já que o assunto era bebês novos. Até meu smartphone fez parte da rodinha de conversa, pro povo ver a Maria Luisa na foto.

Nesse meio tempo vem a auxiliar, pega minha ficha e olha na minha cara, com a maior naturalidade do mundo (como se eu não estivesse de jejum completo) e diz: "Esvazia bem a bexiga ali naquele banheiro, por gentileza!"...cada uma que parecem duas =)

Mas lá fui eu, pra não decepcionar a moça e voltei de bexiguinha espremida de tão vazia.

No primeiro andar fui fazer o USG abdominal. Fiquei muito feliz porque o Dr. não encontrou mais nenhum mioma (eu tinha dois pequenos, mas meu GO fez uma gambiarra financeira super simpática e retirou, pra eu não ter que pagar outra cirurgia).

Depois dos exames, fui pra 25 de março buscar os apetrechos pra fazer a lembrancinha de batizado da Maria Luisa (assunto para outros posts)...mas no caminho, parei numa doceria e comprei correndo uma barrinha de cereal Nutri de banana, dois Polenguinhos, um suco de manga da Del Valle e um tubinho de Menthos misto...Senhor, que fome era aquela!? rsrsr

E ai meu lanchinho no metrô, depois da minha manhã atípica no sábado...merecido!

Beijos...ufa..., Ci

domingo, 18 de setembro de 2011

4o mêsversário da Maria Luisa + Pediatra na sexta + Clube da Carta

6 comentários:
Oie meninas! Tudo bem com vocês?

Por aqui tudo tranquilo, graças a Deus =)

No dia 11.09 a Maria Luisa completou 4 meses...JÁ!?

Em pensar que um dia desses eu tava aqui, ansiosa pra ela chegar (ela nasceu com 41 semanas e 5 dias...tá bom pra vcs? rsrs)

E agora a minha menininha brinca sozinha com a caixinha de música do bouncer (cadeirinha de balanço) dela, não tira a mão da boca, baba muuuito, reconhece as pessoas mais próximas, sorri pra quem simpatiza e faz carinha feia pra quem não curte.

Por exemplo, o dia em que fomos a uma pediatra particular e eu não fui com a cara da médica desde que entrei no consultório...e não é que ela chorou a consulta inteirinha?? Coincidência?!

Já quando vai no Dr. Emílio, o pediatra dela, que fica no postinho em Santana, ela ri desde que entra no consultório, ele examina, faz testes de motricidade, auscuta o coração e ela ri o tempo todo. Mas também não tem como não gostar dele. É uma doçura e explica tudo, um milhão de vezes se precisar.

No dia 11, Marcelo, Maria Luisa e eu, depois dele jogar futebol (sim minhazamiga, meu esposo joga bola domingo de manhã...pra mim é madrugada, mas ás vezes até vou, pra agradar, né?!) fomos para a casa da minha mãe, onde almoçamos e cortamos um bolinho de mêsversário pra bebê.

Fazemos isso desde os 15 dias (tá...15 dias foi idéia da minha mãe. Estavamos na concessionária pegando nosso carrinho e minha mãe teve a idéia...parecia o Professor Pardal, com a lâmpada em cima da cabeça. Dai, como o supermercado é do lado, compramos o bolinho pra ela.)

Quatro meses lindos, que resisti bravamente (é como digo, mãe que passa primeiro e segundo mês do bebê bem, firme e forte, faz qualquer coisa...quase um Hércules...rsrs), me encantei, amo cada dia mais, me dedico (apesar de certas criaturas quererem se meter e achar que são melhores que eu que convivo diariamente com ela e conheço seus hábitos, sei como ela é. Sempre tem!) e até resolvi esperar ela completar 1 ano pra eu voltar a trabalhar.

Aqui, assoprando as velinhas com a Malu!!

Olha que bolo mais fofo esse do Mickey S2

E nossa menina, já maiorzinha, claro que quer participar mais e meteu a mãozinha no bolo...rsrsr. É uma figura mesmo!

Olha a cara que ela fez depois que aprontou a arte =)

Nessa sexta levei a bebê ao pediatra (meu esposo foi trabalhar cedinho, dai fomos sozinhas...Maria Luisa, eu e o canguro - assunto pra um próximo post). Ela agora está com 63 cm e 6.850 kg =) Tudo tranquilo, ele disse ate que ela pode comer papinha no almoço. Ele liberou, mas não sei ainda se quero dar outro alimento ainda que não seja o leite. Estou ainda amamentando no peito e complementando com o Nan Comfor 1.

Ah, e estou pensando/planejando escrever no blog com maior regularidade...algo como 2a, 4a e 6a! Vou me policiar e trazer as novidades pra vocês.

E uma dessas novidades é que agora faço parte do Clube da Carta, da querida Fabiana Abud. Preciso de tinta na impressora pra imprimir meu papel de carta e tb o endereço das meninas que vou mandar cartinhas. Uma das participantes é minha cunhada, a Sil.

E esse correio preguiçoso, né? Governo ou seja lá quem for...paguem direito os servidores desse serviço, pq sem ele o mundo para.

Um enorme beijo pra vcs, Ci

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O bebê de 4 meses

Nenhum comentário:
Escrito para o BabyCenter Brasil


Aprovado pelo Conselho Médico do BabyCenter Brasil

Fome menos frequente

Agora, com 4 meses de idade, seu bebê tem um estômago maior, por isso não sentirá necessidade de se alimentar com tanta frequência -- apenas cinco ou seis vezes por dia. O apetite dele vai diminuindo, e ficando mais parecido com o de crianças maiores e adultos, mas mesmo assim ele continuará engordando e crescendo (embora num ritmo um pouco menor que o dos meses anteriores).

A atenção dele começa a se voltar para outras pessoas e situações enquanto ele mama, e, embora seja ótimo vê-lo entusiasmado e respondendo a novidades, a hora da alimentação pode ficar mais difícil. Se o seu filho se distrai facilmente, tente alimentá-lo em um local bem tranquilo.

Rola para cá e rola para lá

Quando estiver de bruços, o bebê vai levantar a cabeça e os ombros, usando os braços como apoio. Essa "miniflexão de braços" ajudará a fortalecer seus músculos, além de oferecer uma melhor visão do que está à sua volta.

Ele poderá até surpreender você (e a ele mesmo!) rolando de costas para a frente ou vice-versa. Para incentivá-lo, deixe um brinquedo perto do lado para onde ele costuma virar, e quem sabe ele vai querer tentar rolar de novo. Comemore cada tentativa -- ele talvez precise do seu apoio moral, porque novidades tão grandes tendem a assustá-lo.

Já está na hora de começar a dar outros alimentos?

Nos primeiros 4 a 6 meses de vida, o bebê recebe todos os nutrientes de que precisa através do leite materno ou das fórmulas lácteas. Mesmo assim, os pais costumam ficar ansiosos para introduzir logo os alimentos sólidos na dieta infantil. Converse com seu pediatra antes de tomar uma decisão.

A introdução de alimentos (como frutas ou sopinhas) pode até ser considerada, agora que o sistema digestivo está mais desenvolvido e o reflexo de propulsão da língua começa a desaparecer; no entanto, muitos médicos aconselham que se espere até os 6 meses -- a orientação do Ministério da Saúde também é essa.

Esperar um pouco mais para apresentar os alimentos sólidos ao bebê pode reduzir o risco de reações alérgicas, além de garantir que o leite (materno ou fórmula láctea) não seja preterido no cardápio do bebê.

Tudo na boca

O bebê consegue pegar um objeto, mesmo que não na primeira tentativa. Uma vez que tenha posto as mãos em alguma coisa, ele vai estudá-la um pouquinho e, logo depois, vai tentar colocá-la na boca. É possível que você note que ele está babando mais. Alguns bebês começam a ter sinais de dentição já aos 4 meses, mas o primeiro dente geralmente só aparece mesmo após os 5 ou 6 meses.

Estimule seu filho a explorar e brincar com vários objetos, como, por exemplo, uma simples fralda de pano limpa. Veja como ele chupa e segura e amassa o tecido. Dê um chocalho ao bebê para que ele se entretenha com o som.

Neste estágio, um brinquedo em forma de arco com penduricalhos, colocado acima da criança deitada no berço ou no chão, permite que ela descubra o fenômeno de causa e efeito, ao movimentar uma alavanca e fazer um sino tocar. Outro brinquedo excelente para a criança é a água: observe como ela se diverte na hora do banho. Toda aquela molhadeira, afinal, tem fins cognitivos (um bom consolo na hora de arrumar a bagunça -- sem contar o sorriso no rosto dele!).

Brincando sozinho

Nesta etapa, seu filho brinca com os pés e mãos sozinho por alguns minutos. Milagre! De repente você acha que tudo está calmo demais no quarto, vai dar uma olhada e acaba descobrindo que o bebê, que até então precisava de sua atenção para tudo, está se entretendo por conta própria. Quem sabe vai até ser possível voltar a ler o jornal...

Compreensão do papel da linguagem

Especialistas acreditam que aos 4 meses seu filho compreende todos os sons básicos da língua falada em casa. Entre 4 e 6 meses, ele desenvolve a capacidade de produzir alguns sons, tais como "ma-ma" ou "da-da", mesmo que ainda não os ligue à mãe nem a nenhuma outra pessoa. Também consegue participar de jogos de imitação e vai tentar reproduzir algo que você diga.

Estimule a comunicação do seu bebê copiando suas expressões e sons. Ao perceber uma reação quando emite sons e tenta verbalizar alguma coisa, a criança aprende a importância da linguagem e começa a entender o conceito de causa e efeito. Ela passará a notar que o diz faz diferença.

Gosto por muitas cores

Os bebês enxergam cores já a partir do nascimento, mas têm dificuldade em distinguir tonalidades semelhantes, como o vermelho e o laranja. Por isso, eles tendem a preferir preto e branco, ou cores bem contrastantes. Entre 2 e 4 meses, no entanto, a diferença das cores fica mais evidente, e o seu bebê começa a perceber tons mais parecidos.

Ele provavelmente tenderá a gostar mais das cores primárias. Móbiles com essas cores (colocados fora do alcance da criança), pôsteres com cores vivas e livros com ilustrações chamativas despertarão a atenção.

Mais seletivo com pessoas

Aos 4 meses, o bebê pode reagir à sua presença, sua voz e até suas expressões faciais com chutinhos e balançando os braços.

Por volta desta época, seu filho, que até agora provavelmente distribuiu sorrisos a todos que conheceu, começa a ficar seletivo em relação às companhias. Em grandes grupos ou entre pessoas desconhecidas, ele talvez precise de um tempo para se soltar. Dê esse tempo a ele na presença de estranhos ou ao deixá-lo sob os cuidados de alguém. Você também vai notar que, quando está seguro no seu colo, ele fica interessado em interagir com outras pessoas, especialmente crianças mais velhas e barulhentas.

Será que o desenvolvimento do meu filho é normal?

Lembre-se, cada bebê é de um jeito e atinge certos marcos de desenvolvimento físico no seu próprio ritmo. O que apresentamos são apenas referências de etapas que seu filho tem potencial para alcançar -- se não agora, em pouco tempo.

Caso seu filho tenha nascido prematuro, é provável que você observe que ele leva um pouco mais de tempo para fazer as mesmas coisas que outras crianças de idade similar. Não se preocupe, a maioria dos médicos avalia o desenvolvimento de um prematuro conforme a idade corrigida e acompanha seu progresso levando isso em conta.

Em caso de dúvidas sobre o desenvolvimento do seu filho, converse com o pediatra.

sábado, 10 de setembro de 2011

I want you back + Bomba para extrair leite + Carreira

2 comentários:
Oi meninas! Tudo bem com vocês?

Em primeiro lugar quero dizer que pensei bastante sobre privatizar ou não o blog (nesse post aqui eu disse que iria e até pedi o email de quem gostaria de lê-lo privatizado).

E resolvi deixar pra lá...talvez no dia eu estivesse um pouco temerosa com as loucuras da internet com as crianças e talvez quisesse preservar a Maria Luisa. Mas o que não posso é privar as pessoas das informações que gosto de buscar e trocar com as futuras mamães (planejantes e tentantes), grávidas e mamães.

O lance é saber proteger a minha bebê, como sempre fiz e ter esse contato com vocês, mesmo com as que pouco ou nunca escrevem é super valioso. Porque ás vezes a pessoa busca informações, mas não leva jeito pra escrever.

Agora, depois do "Eu voltei, agora pra ficar..." rsrsrs, vamos ao assunto de hoje que me veio agora, depois de ler o meu email semanal do Baby Center, que fala sobre a papinha.

Cada uma sabe como cuidar do seu bebê e os riscos que quer assumir...eu li nesse email que dar papinha tão cedo pra bebê pode "despertar alergias" que ela não teria se mamasse a fórmula ou leite de peito até os 6 meses.

No fim de semana passado a curiosidade (aquela que matou o gato...) falou mais alto e minha prima fez uma sopinha, bem, bem peneiradinha, de cenoura e mandioquinha e lá fomos minha mãe, a minha prima e eu dar pra Maria Luisa (não fiquem bravas comigo, ou fiquem...mas dúvido que a maioria das mães não tenham essa curiosidade, ainda mais quando o bebê está com a carinha de quem está super pedindo pra comer). mas foram três colheirinhas e CHEGA (meeessmo) até a época certa dela comer!! (quem confessa, merece perdão...rsrs)

Então liguei pra minha mãe há uns minutos atrás e conversei sobre isso um tempo...e contei pra ela que existem até empresas que alugam a bomba de tirar leite. Pelo que vi até agora, parece que a mais bacana é a Swing, da Medela e vi a Vanessa, mãe do Gustavo, indicar nesse site aqui.

Anotei os dados e vou entrar em contato semana que vem, porque não quero parar de amamentar a Malu tão cedo, mesmo porque eu não tenho um prazo estipulado para voltar trabalhar, apesar de ter planos para voltar sim.

Mas quero viver esses momentos dela, pelo menos até 1 ano de idade, porque eles não voltarão mais e talvez eu me arrependa do meu "desespero" daqui uns anos (o que acredito que aconteceria com 99% de chance).

Dia desses até entrei em contato com um rh, falei com uma moça que me disse ter vagas na minha área sim. Mas fui dormir com aquilo remoendo na cabeça e no dia seguinte não encaminhei meu currículo.

O que acontece então, nesse mar de emoções, carreira, bombas de leite e sopinhas é que quero e vou realeitar com leite do peito a minha bebê, aos poucos, com paciência.

Tem muita gente pra falar que eu não insisto (inclusive minha mãe), mas não é assim e eu não estou fazendo do meu blog um "tiro ao alvo". Apenas estou relatando de coração aberto as experiências que tenho com a minha gatinha dia a dia e nada e nem ninguém pode traduzir o amor que tenho e a paciência para que ela pegue o peito. Não posso reclamar...ela não deixou de mamar no peito, não. Durante a madrugada ela mama, mama, mama até cansar e dorme feliz e de barriguinha cheia.

Mas durante o dia, na pressa dela, grita quando ofereço o peito (ofereço mesmo, sem preguiça...nem venham linguas de trapo, me recriminar) mas ela prefere a mamadeira.

A minha sorte (!?) é que ela está usando as mamadeiras da Dr. Browns, que promete o mesmo sistema do peito (o esforço da sucção) e promete tb reproduzir o formato do bico do seio na boca do bebê.
Com a bomba de leite eu espero, mesmo na mamadeira, dar mais leite materno pra ela e li tb que essa bomba estimula a produção natural do leite, pra ela mesma fazer a sucção e se alimentar no meu peito.

É isso meninas...eu queria dividir essa experiência com vocês pois acredito que tem muita mãezinha que não é uma "leiteria" e que tem suas dificuldades para amamentar. O Nan Comfor 1 ainda está nos nossos planos (a frase que sempre está na minha cabeça "Fome é que minha filha não vai passar!") e na lista de compras, vamos ver como vai ficar a partir do aluguel da bombinha.

Achei também esse relato, da Claudia Borralho, uma mamãe portuguesa, que achei muito legal (mesmo os valores de locação sendo pra Portugal)...o que vale é ela explicando os benefícios que alcançou com a bomba.

O que vocês acham da bomba de leite? Já usaram? Se não usaram, tem curiosidade?

Um beijo, Ci

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Poesia pra vida...

3 comentários:
Desde pequena sou uma pessoinha que ama poesia e cresci gostando de Vinícius de Moraes...nossa, como eu era alucinada por Vinícius.

Eu, ah..desde criança queria "me casar" com ele...hahah. Isso que ele já tinha morrido há anos.

Mas ele era meu amor, meu companheiro de adolescência, desenhista dos meus sonhos mais lindos, meu coração.

Na casa das minhas primas há um disco (sim, um disco, entre tantos outros) do João Gilberto, com músicas apenas de Vínicius de Moraes. E eu escutava, escutava, escutava...vai saber como não furei o disco, como se dizia antigamente.

Antologia poética, cd's, clipes (com a chegada do Youtube na minha vida) e tudo mais...delineados também por Pablo Neruda (confesso, eu queria ser a musa de Neruda tb) e tantos outros que vai alongar demais esse post

Já tive romances embalados por ele, agendas recheadas de trechos de suas palavras mágicas sobre o amor.

A vida foi passando, eu, crescendo, me encantando com as coisas e ás vezes me desiludindo...e eis que hoje eu sinto algo que há muito não me vinha, uma alegria genuina e única, ouvindo Nova Brasil FM, enquanto dava banho na Maria Luisa...toca uma música que eu já conhecia e que passa numa vinheta da MTV, acho que do VMB desse ano, mas que eu não tinha dado muita confiança...

O clipe "Felicidade" do Marcelo Jeneci. Conheci o Jeneci enquanto assistia o Grêmio Recreativo Arnaldo Antunes, na MTV tb. E foi amor a primeira vista! Nossa...como a música precisa de doçuras assim, de mais "A banda mais bonita da cidade", mais Tulipas Ruiz, mais Marcelos Jeneci, mais Robertas Campos, mais coisas inspiradoras que me façam lembrar de onde vim e como sempre fui e senti...

E hoje, essas canções fazem parte das que canto para a minha filha, nesses tempos de funk e músicas infantis sem inpiração...

"eu sei que vou te amar..."